Sou mulher e aprendo todos os dias. Deus é meu ideal e sem sua condução só faço bobagens, rsrs. Gosto de seguir e me nortear por meus valores. No profissional, só o melhor é o suficiente. Amo o que eu faço e faço com paixão. E me sinto extremamente agradecida por isso.
Adriana Loch

Arquivo pessoal Adriana Loch

Mãe do Matheus (12 anos) e Maria Chiara  (no céu), empresária, palestrante, diretora, facilitadora, consultora. Diretora da empresa Clarius. Fundadora do Projeto Mulheres Equilibristas: Família, carreira e sonhos. Facilitadora, líder e entrevistadora do programa EMPRETEC, Programa das Nações Unidas/PNUD e muito mais…. www.adrianaloch.com.br

Ao olharmos para as mulheres que são líderes de empresas, que estão sempre viajando a negócios, são profissionais respeitáveis no mundo “business”, a questão pessoal sempre nos vem a mente com a pergunta: é possível equilibrar carreira e família? Hoje quem conversa com a gente é Adriana Loch, um exemplo de Mãe e Empresária que nos conta um pouquinho mais sobre este mundo louco dos negócios e a vida frenética de ser Mãe!

Foto arquivo pessoal Adriana Loch

 A sua gravidez foi planejada ou foi uma surpresa? Como foi o dia em que você descobriu que estava grávida?

Foi planejada. O dia que descobri foi um misto de alegria, sonho, medo e muita expectativa.

 Você como uma empresária de sucesso, em algum momento de sua gestação pensou se isto afetaria negativamente a sua vida profissional? E na verdade, afetou de que forma?

Não pensei que afetasse e pouco afetou. Minha vida seguiu normal, sem enjoos e tonturas, apenas com muito sono e muita fome. Trabalhei até o 8o mês com palestras e treinamentos. Eu me sentia super bem.

 Quais foram os maiores ensinamentos que você obteve ao se tornar mãe?

Eu me tornei uma nova mulher, nasceu uma mãe (ou eu fui aprendendo a ser mãe). Os maiores ensinamentos que obtive foram que os problemas vem e vão e não matam ninguém. Eles até se tornam secundários. Formar um novo ser, que é o nosso filho amado e desejado é o maior desafio pra mim. Muitas vezes o sentimento nos cega e recorro a ajuda com amigas, meu pai ou até mesmo ajuda espiritual, pedindo a Deus que me mostre que decisão devo tomar.

 Como podemos priorizar as coisas realmente importantes, como a família e amigos, sem deixar a carreira desandar e os sonhos de lado ou esquecidos na gaveta? Há algum segredo ou dica que você pode nos oferecer?

Sim, montei um programa para ensinar melhor, porque é outro desafio. Primeiro temos de parar tudo e enxergar qual a prioridade para o atual momento de vida. Assuma isso, temporariamente, e diga não aos demais. Quando essa área estiver resolvida, vá para outra, livremente. O segredo é dizer sim ao que você quer ou precisa e dizer não ao que não quer ou não complementa para o momento atual da sua vida. E, o mais importante, com liberdade de escolha e sem permitir que a culpa a machuque.

Você realmente acha que podemos ser completamente realizadas em todas as áreas da vida ou seria ingenuidade achar que isso é possível?

Acredito mesmo. E também acredito que podemos não ser perfeitas em todas as áreas. Nem precisamos ser. O problema mora aí: queremos fazer tudo com perfeição, acreditar nisso é ingenuidade. Realizadas em todas as áreas significa não ser a melhor mãe do mundo, ou a melhor esposa e nem a melhor profissional, porque nosso tempo é dividido em áreas importantes da nossa vida. E, se fizemos isso como uma escolha consciente e com todo nosso amor, isso nos preencherá de tal forma que a “culpa precisará passear por um tempo.”

Você acha que a maternidade te ajudou a ser melhor profissionalmente? Por que?

Com toda certeza, sou uma profissional melhor e uma pessoa melhor. Administro melhor o meu tempo e me enrolo menos para fazer o que é preciso ser feito. Coloco foco e coração no trabalho para poder voltar logo para casa e fazer programas com meu filho.

Você diria que o grande propósito de vida é saber equilibrar esses três pilares: Carreira, família e sonhos? Este seria o grande segredo da felicidade e a definição de sucesso?

Isso é muito pessoal. O grande propósito da minha vida é ajudar as pessoas, também outras mulheres. Faço isso sendo empresária, coach, mãe, amiga, namorada, etc. Nossos filhos são nosso reflexo, por isso, eu preciso estar bem para esperar que ele esteja também. Isso vale para relacionamentos, colaboradores e pessoas que convivem conosco. Quando a mulher é feliz, a família toda é. Felicidade é amor, é agradecer as pequenas coisas, é ter com quem contar na hora do aperto, é ter alguém para trocar afeto, é olhar no espelho e gostar do que vê. Não me refiro à aparência, mas a essência da pessoa. Sucesso é ter liberdade para fazer o que se quer e quando se quer. A frase não é minha mas eu adoro.

Como é a Adriana mãe? Mais liberal ou mais rígida?

Vamos perguntar ao meu filho, rsrs. Eu dou liberdade mas quando Matheus (12 anos) “escorrega” da linha, preciso ser rígida. Se ele caminha pela “trilha do bem” eu procuro nem interferir e sim estimular, mas às vezes é necessária uma intervenção. O que eu acredito que eu faça bem é en-xer-gá-lo nas suas necessidades. Os problemas deles parecem pequenos para nós, mas para eles são enormes e merecem a mesma atenção que os nossos. ex.: uma bola que furou, um jogo que travou… é como se furasse um pneu do nosso carro ou travasse nosso computador no meio de um relatório super importante. A criança que se sente respeitada na sua necessidade, respeita também a necessidade do outro.

Você tem planos de ter mais filhos?

Eu tive até uma segunda gestação, mas perdi com 8 semanas. Mais tarde pretendo adotar uma criança.

Como você gostaria que seu filho se lembrasse de você no futuro?

Eu fui um filho muito amado.

Para você, ser Mãe de Salto Agulha é…

Olhar para mim e lembrar que sou mulher. Lembrar que posso ser elegante mesmo sem ter o corpo perfeito e ainda assim estar linda, porque minha áurea está brilhando.

Foto arquivo pessoal Adriana Loch