“…Não existe um dia que eu não sinta vontade de chorar e penso em voltar, mas daí eu penso nos meus filhos e no futuro deles e tenho certeza que aqui será bem mais fácil para eles do que seria no Brasil. ”
Suellen Santos Frank

Arquivo pessoal Suellen Santos Frank

Morar em outro país sempre é uma experiência bem desafiadora e cheia de aprendizados. Com filhos, essa experiência fica ainda mais intensa e é sobre isso que hoje conversaremos com a Suellen, brasileira, casada com Matthew (americano), Engenheira Química, mãe de dois filhos encantadores, Samantha (5 anos) e George (2 anos), ela nos conta um pouquinho desta jornada e como ultrapassar a fronteira do medo da mudança!

Foto arquivo pessoal Suellen Santos Frank

Quais foram os países que você morou depois que se tornou mãe?

Estados Unidos e Canadá.

Quais as línguas que seus filhos falam? Eles demonstram preferência por alguma em específico?

Samantha fala Inglês, Português e um pouco de Francês, mas como não tem praticado como antigamente, perdeu bastante… ela resiste falar Português, embora entenda tudo, muitas vezes, responde no inglês. George ainda está aprendendo a falar, a maioria das palavras saem em inglês devido a escolinha, mas tento ensinar a Língua Portuguesa… ele entende tudo o que eu digo em Português.

Qual o maior desafio de criar filhos em um país diferente de onde você foi criada? Você ficou com muito medo?

O maior desafio é o fato de nao ter um suporte, quando acontece qualquer coisa, é somente eu e o meu marido tomando conta dos dois. Medo? Um pouco, tenho medo de acontecer algo comigo e meus filhos ficarem sozinhos, e o governo americano não enviarem eles para o Brasil como tenho documentado.

Você costuma seguir mais a cultura Brasileira ou do país onde está residindo? Ou ainda a mistura de todas elas? Cite exemplos

Acredito que mais a brasileira, mas nao totalmente. Alimentação é sempre mais para o lado brasileiro, mas acabo tendo que adaptar bastante e apresento as comidas daqui também, pois quando eles saem preciso que comam o que é oferecido. Mas não temos quase nenhum brasileiro na região, então festas que temos no Brasil nao tem aqui, mas sempre tento adaptar em casa sozinha… por exemplo, em casa temos carnaval, festa junina, nos aniversários têm brigadeiro, beijinho, pipoca… mas sempre acaba perdendo bastante, infelizmente, meus filhos são filhos de brasileira que vive nos EUA e aqui eles crescem mais americanos consequentemente…. 🙁

Como é feita a comunicação em casa com seus filhos?

É uma mistura, depende do que estiver acontecendo e quem estiver em casa.

Você sente diferença ou alguma dificuldade de aprendizado dos teus filhos, por causa da língua e costumes, para com as outras crianças da mesma idade?

Sim, a Samantha passou os primeiros 4 anos de vida no Canadá, aonde falávamos mais francês do que inglês, e ainda falávamos português em casa. Escola só francês, e ensinávamos o ingles em casa também, quando nos mudados para os EUA no ano passado ela foi para o EC4 mas entrou atrasada (Oct) e ela nao acompanhou as crianças da sala que falavam somente o inglês, pois na hora de soletrar se confundia devido as línguas… embora seja extremamente inteligente e faz muitas coisas que crianças da idade dela nao fazem, (ex. quebra cabeca de 300 pecas sozinha). Então acabamos fazendo com que ela repetisse o EC4 para que ela se sentisse mais confiante. O George aprende muito rápido, tem 2 anos, mas esta sendo alfabetizado somente em 2 línguas, ao invés de 3, o que acho que deixou tudo menos confuso para ele.

Qual a melhor coisa de poder criar seus filhos em outro país? Qual o conselho você daria para as mães que pensam em se mudar de país, mas não têm coragem de sair do Brasil?

A segurança… não preciso ficar me preocupando com assaltos ou nada disso. Conselhos? É dificil dizer, cada um sabe seus motivos e só quando estiver fora vai saber o quão dificil será… para mim é extremamente difícil ficar longe dos meus pais e irmãs, mas, infelizmente, estou longe e para dizer a verdade nao é fácil, não existe um dia que eu nao sinta vontade chorar e penso em voltar, mas daí eu penso nos meus filhos e no futuro deles e tenho certeza que aqui será bem mais fácil para eles do que seria no Brasil.

Como foi a experiência do primeiro contato dos seus filhos com sua família no Brasil? Vocês utilizam muito as redes sociais para se comunicar e deixar as crianças mais perto dos familiares? Vocês vão para o Brasil regularmente? Como é a relação, hoje, dos seus filhos com a sua família no Brasil?

Minha mãe estava programada para vir me ajudar antes da Samantha nascer, mas acabei tendo um parto de emergência antes do tempo e ela chegou quando o bebê ja estava com 3 semanas, mas foi amor à primeira vista, as duas são doidas uma pela outra, é impressionante o relacionamento. Fomos para o Brasil quando ela estava com 8 semanas, e foi ótimo, ela foi batizada lá e se encaixou muito com a família. Mas foi uma viagem rápida de somente 1 mês e depois voltei para o EUA. Quando ela completou 1 ano fomos para celebrar com minha família e ela agiu como se conhecesse a todos e os vissem toda semana, sabia nomes e não estranhou. Tentávamos ir ao Brasil pelo menos 1 vez ao ano, algumas vezes 2, todas as vezes ela sempre esta bem feliz e ao saber que vai, mas é um desespero na hora de ir embora, chora e chora, e quando chegamos em casa sempre tem momentos muito delicados. teve uma vez que fui sozinha com ela e Polícia Federal me colocou num quarto para investigar o porquê ela chorava tanto e me empurrava pedindo pela vó (minha mãe), eles queriam ter certeza de que eu nao estava roubando ela, foi um sufoco!
Com o George fomos quando ele estava tb com 8 semanas, e como ele nasceu no Canadá e não nos EUA, tive 9 meses de licensa e pude ficar 5 meses no Brasil, o que foi ótimo para todos! Ele também é muito apegado aos meus pais, mas o relacionamento dele com minha irmã caçula é de outro mundo, ele vai a loucura so de escutar o nome dela… Meus dois filhos adoram o Brasil e sempre pedem para ir ou para mudar para lá… é muito dificil saber que meu país esta tão complicado, caso contrário, tentaria voltar o quanto antes.

Vocês têm planos de voltar a morar no Brasil?

Não com a economia do jeito que está, mas quem sabe um dia.

Como você gostaria que seus filhos se lembrassem de você no futuro?

Nunca pensei sobre o assunto, mas gostariam que lembrasse que eu sempre fiz tudo por eles, e que seria capaz de dar minha vida pela vida deles.

Para você, ser Mãe de Salto Agulha é…

Equilibrar-se o tempo todo… a vida profissional, a vida de mãe e a vida de esposa, sabendo que não posso deixar nada cair ou desiquilibrar.

Foto arquivo pessoal Suellen Santos Frank